Após protestos, beijo lésbico em Lightyear será mantido

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Controverso, o tema da representatividade vem se tornando cada vez mais comum na cultura pop. Porém, depois do Superman bissexual, a grande polêmica da vez é uma cena de beijo lésbico do longa “Lightyear”, spin-off da franquia Toy Story.

No dia 9 de março, conforme relata a Variety, diversos funcionários da Pixar Animation Studios enviaram uma carta conjunta à The Walt Disney Company, alegando que a casa do Mickey censurou cenas de “afeto majoritariamente gay” em seus filmes. A alegação acerca de uma censura interna veio em um grande repúdio sobre as políticas recentes que a Disney vem endossando, em especial a lei estadunidense “Don’t Say Gay”, que aparentemente vem afetando a esmagadora maioria de suas produções.

Ainda não lançado, o spin-off de Toy Story focado no astronauta inclui uma personagem feminina de suma significância à trama, Hawthorne, uma mulher lésbica que teve sua cena de beijo inicialmente deletada. Mas, segundo a Variety, após a repercussão negativa da defesa da Disney de políticas mais conversadoras, a cena foi colocada novamente no longa.

Do beijo lésbico ao Don’t Say Gay: a Disney por trás dos holofotes

Se do lado de fora dos escritórios, a Disney demonstra engajamento em causas LGBTQIA+, a história parecia outra no ambiente corporativo. Foi descoberto que a empresa financiava parlamentares americanos que apoiavam o Projeto de Lei SB 1834, apelidado pela oposição de “Don’t Say Gay” (em tradução livre, “não diga gay”), o projeto “Parental Rights Education” (”direitos de educação parental” em tradução). O polêmico trecho da lei da Flórida que instituiu o conflito é o citado abaixo:

proibir um distrito escolar de incentivar a discussão em sala de aula sobre orientação sexual ou identidade de gênero nas séries primárias ou de uma maneira específica”

Além de garantir que as escolas não falem sobre sexualidade e identidade de gênero, o que mais gerou revolta entre os ativistas é o pretexto legal que a lei pode amparar em relação aos pais. O texto poderia assegurar o direito da abertura de um processo por parte dos pais que identificassem que o assunto foi abordado, daí surge o “Don’t Say Gay”, lei financiada pela Disney.

Em nota, a empresa se desculpou pelo ocorrido e afirmou que daria entrada em uma doação de 5 milhões de dólares para organizações LGBTQIA+, inclusive a HRC (Campanha de Direitos Humanos), que negou a doação do valor alegando que necessita ver primeiro um “compromisso público” por parte da Disney com a comunidade LGBTQIA+. 

Deixe um comentário!