Uncharted: Fora do Mapa | Crítica

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Uncharted: Fora do Mapa foi lançado em fevereiro deste ano, porém com a chegada do filme no serviço de streaming do HBO Max, achei válido trazer uma crítica à respeito de um dos filmes mais aguardados de 2022. Ainda sofrendo com a pós-pandemia, o filme estrelado por Tom Holland trás às telonas uma das aventuras mais esperadas pelos amantes da franquia de games. Todos sabem que quando se trata de filmes baseados em games, o resultado quase sempre é negativo, mas será que com Uncharted é a mesma coisa?

Bom, tendo isso em vista, hoje decidimos trazer nossa análise completa de Uncharted: Fora do Mapa. Lembrando que o filme será lançado dia 8 de julho de 2022 no HBO Max, possibilitando a todos os seus assinantes à assistirem a aventura de Nathan Drake. Não esqueça de nos seguir no Instagram: @dropcultura.

Sinopse do Filme

Baseado em uma das séries de videogame mais vendidas e aclamadas pela crítica de todos os tempos, Uncharted: Fora do Mapa serve como um antecedente para os jogos, seguindo o jovem explorador Nathan “Nate” Drake (Tom Holland), descendente do grande explorador Francis Drake, antes de ser conhecido como um famoso explorador. Uncharted: Fora do Mapa mostra sua primeira aventura de caça ao tesouro com o sagaz parceiro Victor “Sully” Sullivan (Mark Wahlberg). Os dois partem em uma perigosa busca pelo “maior tesouro nunca encontrado”, na cidade sul americana de El Dorado, mas a aventura acaba se estendendo por todo o mundo, enquanto rastreiam pistas que podem levar ao irmão há muito perdido de Nathan. Porém, mal sabiam eles que seriam perseguidos por um grupo de mercenários que também buscam pelo tesouro perdido.

Uncharted: Fora do Mapa vale faz jus a franquia de games?

Bom, admito que o filme era com certeza um dos mais esperados por mim neste ano, ainda mais por contar com Tom Holland, ator que está em ascensão no momento, no elenco do filme. Porém, não posso deixar de falar que possuía um pé atrás com relação ao longa ser baseado no jogo de vídeo-game, afinal, quase nunca as produtoras acertam a mão e acabam decepcionando os fãs gamers. Mesmo assim dei meu voto de confiança e fui assistir ao filme pensando positivo. Adiantando um pouco, para minha felicidade, o filme é uma bela representação da franquia de games, porém acaba pecando em alguns aspectos, sendo um deles a narrativa.

O filme ganha pontos ao apresentar um Nathan Drake determinado e inspirado para ser um explorado tão bom quanto o conhecíamos nos games, principalmente porque este filme funciona como uma “origem” do personagem, então podemos ver claramente as raízes de Nate durante o longa-metragem. A atuação de Tom Holland impressiona bastante, ele consegue de forma sútil desvincular sua imagem do Homem-Aranha e nos vender um personagem próprio e único, como precisávamos e queríamos.

As referências aos games é um dos pontos mais divertidos do filme, afinal quem teve a oportunidade de jogar a franquia, com certeza ficou caçando os easter-eggs e também todas as referências presentes no longa. Acredito que o principal ponto negativo seja talvez a narrativa do filme. Na minha opinião o filme é um pouco corrido, dando pouco tempo para o desenvolvimento dos personagens e o relacionamento deles entre si. Acredito que Nathan Drake, muito por conta de ser o protagonista, conseguiu ter um desenvolvimento bem melhor, entretanto, seu par romântico e seu companheiro de exploração não tiveram a mesma sorte.

Falando em par romântico, temos aqui a personagem Chloe Frazer, interpretada pela atriz Sophia Taylor Ali. Bom, na minha opinião ela fez um ótimo papel, porém eu não consegui enxergar a química entre ela e Nathan que o filme gostaria de entregar. Até acho que isso se dá por conta de estarmos acostumados com Tom Holland fazer par romântico com a Zendaya (a química de milhões, inclusive). Mesmo não entregando um casal com química, isto não é algo que prejudica o filme de forma alguma, é apenas algo mais pessoal, da qual achei que colocar aqui seria interessante.

A vilã, interpretada por Tati Gabrielle, escolhida para o filme também acaba sendo pouco desenvolvida, pelo menos abaixo do que eu realmente esperava, porém ela consegue cumprir seu papel dentro da trama, deixando Nathan e Sully em apuros por diversos momentos, o que acabou nos entregando diversas cenas ótimas de ação. Aliás, cenas de ação é o que não faltam em Uncharted: Fora do Mapa.

Veredito Final: Com uma história de origem, não muito bem desenvolvida e apressada, Uncharted: Fora do Mapa consegue nos entregar o que talvez seja o melhor filme baseado em vídeo-games até o momento. Um ótimo filme para se assistir, com uma ótima trilha sonora e visuais de outro patamar.

Nota: 7/10

Deixe um comentário!