Falcão e o Soldado Invernal | Crítica do último episódio

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Mais uma semana e dessa vez o último episódio de Falcão e o Soldado Invernal. A segunda série de TV inserida no UCM chega ao seu fim com uma grande aceitação por parte do público, talvez por uma afinidade maior com o que foi apresentado nos filmes da Marvel no passado ao invés de WandaVision, algo mais desconexo e pessoalmente mais criativo.

Os temas abordados no episódio anterior abriam diversas brechas para entendermos enfim o que seria apresentado no tal finale: a volta de John Walker como antagonista, a enfim transição de Falcão para Capitão América por parte de Sam e uma ou outra teoria por parte dos fãs, como quem era o Mercador do Poder ou até uma possível formação dos Thunderbolts por parte do Barão Zemo. Tudo aqui foi respondido e abre portas para explorações em outras produções (em especial para a nova fase da Marvel), ainda que o último episódio feche a história da série em si.

O novo Capitão América

A ascensão de um Capitão América negro era a grande incógnita da série desde o início. O americano médio estava preparado para isso? O direcionamento de uma figura como John Walker sendo o novo Capitão América no primeiro episódio já indicava esse questionamento um tanto crítico desde o início em um tom um pouco diferente de como subtramas de problemas sociais eram apresentados em filmes da Marvel (Pantera Negra é um ponto fora da curva, tanto que é pessoalmente minha obra favorita do UCM).

Ver a curva de evolução do Sam durante a série e sua relação em meio-termo entre o legado de Steve Rogers e a ideia do herói como a cara dos Estados Unidos da América ser um homem negro é o maior ponto de discussão falando de Sam Wilson, gratificante ver o resultado disso estourar no último episódio.  O personagem mais apagado dentre os principais talvez seja Bucky Barnes, que teve seu arco fechado e melhor desenvolvido no episódio anterior. Podemos voltar em outros personagens de importância crucial para a trama: Karli Morgenthau e Sharon Carter, que fica mais em background até a parte de maior ação da trama e a cena pós-créditos.

A sequência de ação envolve as duas personagens justamente quando descobrimos que Carter é ninguém menos que o Mercador do Poder, algo muito teorizado pelos fãs. Karli Morgenthau, no entanto, apresenta uma extensão crítica dos Apátridas, principalmente nos diálogos muito consistentes com Sam já enquanto Capitão América (e sua tentativa pífia de traçar um embate com o herói). Tudo acaba na morte da revolucionária, que apesar de ser a “vilã” da trama, sensibiliza muito Sam, que era empático com a luta de Karli.

A cena da líder dos Apátridas sendo carregada por Sam não só é forte, mas mostra a essência de alguém que merecia de forma autêntica andar com o escudo do Capitão, antagonizando com a maquiavelice de John Walker (que finalmente se torna o Agente Americano, sua versão que escala entre vilão e anti-herói nas HQs). Além disso, sua presença enquanto U.S. Agent na série pode ser quem sabe a catapulta para uma eventual formação dos Thunderbolts, o que é ressaltado pela interação entre Barão Zemo e Valentina Allegra de Fontaine, com potencial de serventia como uma espécie de Nick Fury para o grupo de anti-heróis, que podem ser explorados eventualmente na Fase 4 da Marvel ou até uma conexão com o filme da Viúva Negra

E no fim, a volta de Sam ao lar de Isaiah Bradley para mostrar ao supersoldado apagado pela história enfim reconhecido e reparado históricamente (não da forma mais apropriada, mas o mínimo que se poderia fazer).

Conclusão: Conciso, crítico e de muita ação, Falcão e o Soldado Invernal renova o espírito do UCM ponderando diversos elementos políticos e sociológicos da nossa atualidade condensado em um suco de cultura pop digerível por qualquer um. Que mais produtos da Marvel Studios sejam tão divertidos e fechadinhos como Falcão e o Soldado Invernal foi, ainda que o último episódio apresente elementos que podem ser explorados no futuro.

Nota: 10/10

Já nos segue no Twitter? Não? Para acessar o nosso perfil, basta clicar aqui (ou procurar por @dropcultura)!

Se você também assistiu WandaVision, fizemos nossa crítica da série dividida em episódios assim como Falcão e o Soldado Invernal, que você pode ler clicando aqui!

Deixe um comentário!